Atualizações de rede / Global / 2022-09-30

Como é medida a qualidade do ar?:
Quais ferramentas estão disponíveis

Uma olhada nas ferramentas de medição e opções de políticas para a qualidade do ar

Global
Shape Criado com o esboço.
Tempo de leitura: 3 minutos

A qualidade do ar em todo o mundo continua a se deteriorar devido ao aumento das emissões, ameaçando a saúde humana e contribuindo para as mudanças climáticas, perda de biodiversidade e poluição e resíduos.

De acordo com Organização Mundial de Saúde, 99% da população global respira ar impuro e a poluição do ar causa 7 milhões de mortes prematuras por ano. O PM2.5, que se refere ao material particulado com diâmetro igual ou inferior a 2.5 micrômetros, representa a maior ameaça à saúde e é frequentemente usado como métrica nos padrões legais de qualidade do ar. Quando inalado, o PM2.5 é absorvido profundamente na corrente sanguínea e ligado a doenças como acidente vascular cerebral, doenças cardíacas, doenças pulmonares e câncer.

Para lidar com essa crise de poluição do ar, especialistas alertam que os governos devem tomar medidas urgentes para fortalecer a regulamentação da qualidade do ar, incluindo a capacidade de monitoramento para rastrear PM2.5 e outros poluentes.

2021 relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) descobriram que o monitoramento da qualidade do ar não é uma exigência legal em 37% dos países, e os especialistas estão preocupados com o rigor do monitoramento em muitos outros.

“Monitoramento da qualidade do ar e acesso transparente aos dados por meio de plataformas como o Sala de Situação do Meio Ambiente Mundial, é fundamental para a humanidade, pois nos ajuda a entender como a poluição do ar afeta as pessoas, os lugares e o planeta”, diz Alexandre Caldas, chefe de Big Data, Country Outreach, Technology and Innovation Branch do PNUMA.

“Usando esses dados, governos e países podem identificar pontos críticos de poluição do ar e tomar medidas direcionadas para proteger e melhorar o bem-estar humano e ambiental e nosso futuro”, acrescenta.

Então, como é medida a qualidade do ar? Como esses dados são processados? E o que os governos podem fazer para melhorar o monitoramento?

Como é medida a qualidade do ar?

 

Uma captura de tela de um mapa de qualidade do ar
Exposição à poluição do ar em tempo real no Quênia. Crédito: UNEP

 

Os poluentes do ar vêm de uma variedade de fontes, incluindo emissões causadas pelo homem – como uso de combustível fóssil em veículos e cozinhar – e fontes naturais, como tempestades de poeira e fumaça de incêndios florestais e vulcões.

Os monitores de qualidade do ar são equipados com sensores projetados para detectar poluentes específicos. Alguns usam lasers para escanear a densidade de partículas em um metro cúbico de ar, enquanto outros contam com imagens de satélite para medir a energia refletida ou emitida pela Terra.

Poluentes ligados a impactos na saúde humana e ambiental incluem PM2.5, PM10, ozônio troposférico, dióxido de nitrogênio e dióxido de enxofre. Quanto maior a densidade de poluentes no ar, maior o Índice de Qualidade do Ar (AQI), uma escala que vai de zero a 500. Um AQI de 50 ou menos é considerado seguro, enquanto leituras acima de 100 são consideradas insalubres. De acordo com o parceiro do PNUMA IQAir, apenas 38 dos 117 países e regiões tiveram uma média de leituras saudáveis ​​de AQI em 2021.

Como é calculada a qualidade do ar?

Os bancos de dados de qualidade do ar processam leituras de monitores de qualidade do ar governamentais, de crowdsourcing e derivados de satélite para produzir uma leitura agregada de AQI. Esses bancos de dados podem pesar os dados de forma diferente com base na confiabilidade e no tipo de poluição medido.

O PNUMA, em colaboração com a IQAir, desenvolveu o primeiro calculadora de exposição à poluição do ar em 2021. Combina leituras globais de monitores de qualidade do ar validados em 6,475 locais em 117 países, territórios e regiões. O banco de dados prioriza as leituras de PM2.5 e aplica inteligência artificial para calcular a exposição da população de quase todos os países à poluição do ar a cada hora.

Como os governos podem melhorar o monitoramento?

O monitoramento da qualidade do ar é particularmente escasso na África, Ásia Central e América Latina, embora essas regiões sejam densamente povoadas, o que significa que as pessoas podem ser afetadas desproporcionalmente pela poluição do ar. Os governos devem adotar legislação que torne o monitoramento um requisito legal ao mesmo tempo em que investem na infraestrutura existente para melhorar a confiabilidade dos dados. Nesse ínterim, a integração do uso de monitores de qualidade do ar de baixo custo melhorará o gerenciamento da qualidade do ar em países em desenvolvimento, diz Caldas.

“Monitores de qualidade do ar de baixo custo são mais fáceis de implantar e trazem uma redução significativa nos custos operacionais, tornando-os uma alternativa pública cada vez mais viável em áreas que carecem de estações operadas pelo governo, bem como em regiões remotas”, acrescentou.

O PNUMA é responsável por analisar o estado das iniciativas globais de poluição do ar e fornecer informações de alerta precoce para promover a cooperação internacional sobre o meio ambiente. Por exemplo, o PNUMA apoiou a implantação de 48 sensores de baixo custo no Quênia, Costa Rica, Etiópia e Uganda desde 2020. O PNUMA também pretende fornecer suporte técnico a mais de 50 países, incluindo Senegal, Botsuana, Argentina e Timor Leste.

“O PNUMA está comprometido em expandir sua experiência em monitoramento da qualidade do ar para ajudar os países a enfrentar a crise da poluição do ar”, diz Caldas. “Os governos também devem fazer esforços conjuntos para reforçar a gestão da qualidade do ar para proteger a saúde e o bem-estar das pessoas em todo o mundo.”

 

Para combater o impacto generalizado da poluição na sociedade, o PNUMA lançou #BeatPollution, uma estratégia para uma ação rápida, em grande escala e coordenada contra a poluição do ar, da terra e da água. A estratégia destaca o impacto da poluição nas mudanças climáticas, na perda da natureza e da biodiversidade e na saúde humana. Por meio de mensagens baseadas na ciência, a campanha mostra como a transição para um planeta sem poluição é vital para as gerações futuras.